5 principais erros da portaria que afetam a segurança do condomínio


Pessoas entrando e saindo, encomendas entregues, moradores mais atentos ao celular do que aos que passam e fornecedores sem nenhuma supervisão. Será que você já presenciou uma cena dessas?


A portaria do prédio é um espaço agitado e central. Não é muito difícil entender o porquê de a portaria ser um local que exige atenção e, principalmente, regras. Sem elas, erros como, por exemplo, a entrada de estranhos sem autorização pode acontecer e comprometer a segurança de todos no condomínio.


Ter uma portaria eficiente sem a presença de um porteiro é algo desafiador, mas será que é impossível? Quando os condomínios não tem a disponibilidade de porteiros, a responsabilidade com os cuidados na segurança fica maior pra cada morador.


Pensando nisso, selecionamos os cincos principais erros da portaria que podem ocorrer em qualquer condomínio.


1 - Não definir as regras para funcionamento do controle de acesso

Estabelecer como deverá funcionar essa parte do condomínio é fundamental. A ausência de regras pode acarretar em erros por parte dos moradores, que não terão algo que guie a rotina do prédio. Por isso, as regras de controle de acesso devem constar no regimento interno do condomínio. Deixando bem claro para todos como deve ser dia-a-dia desse espaço, o que é permitido e proibido. Assim, quando um morador quebrar as regras, o síndico pode utilizar o regimento interno como base para tomar as atitudes necessárias na situação.


É importante que dentro do regimento interno constem regras para o controle de entrada e saída de visitantes, recebimento de encomendas e outros itens que forem específicos do seu condomínio. Identifique as particularidades do seu edifício e estabeleça regras adequadas a ela, evitando usar um padrão que talvez não atenda às necessidades do prédio.


2 - Falta de atualização dos sistemas de monitoramento e controle de acesso

A segurança eletrônica é outro ponto que precisa da atenção de condôminos e gestores. Os condomínios que não se atualizam podem ficar vulneráveis aos mecanismos utilizados por invasores para burlar o sistema utilizado. Por isso, a defasagem acaba sendo um dos erros que comprometem a segurança.


Além de câmeras 24 horas, que são bons investimentos quando o assunto é vigilância, hoje existem outros mecanismos que se tornaram aliados. Os vídeos captados, por exemplo, podem ser analisados por softwares que detectam os padrões de comportamento dos condôminos, auxiliando a implementação de medidas de segurança.


Outras implementações interessantes são a instalação de um sistema biométrico, que permite o acesso apenas de pessoas cadastradas, e de cercas elétricas sensoriais. Estas inibem o invasor com choque e, aliadas aos alarmes, disparam alerta para a central em caso de violação.

3 - Falta de cooperação entre moradores

Mesmo com tudo isso, para que a segurança seja eficaz em todos os momentos, é importante que aqueles que habitam o condomínio estejam comprometidos com esse ideal. Afinal, alguma atitude em desacordo com o procedimento padrão pode prejudicar a segurança de todos. Deixar a portaria aberta é um erro que pode acontecer com muita frequência, principalmente em prédios que tem um fluxo de pessoas. Porém, essa atitude coloca todos dentro do condomínio em risco.


A fim de resolver essa questão, os gestores devem se atentar para a criação de normas e políticas internas, orientando os moradores sobre como proceder em cada ocasião, por exemplo, com relação ao recebimento de visitas, entregas ou fornecedores, às formas de comunicação em situações de perigo, aos cuidados ao contratar serviços privados, entre outros.


É importante deixar claro, por meio de reuniões e avisos, a responsabilidade de cada morador quando se trata da segurança de um grupo de pessoas. Afinal, a falha de um poderá colocar a vida de outro morador em risco.

4 - Inexistência de procedimentos emergenciais

Falta de Energia, acidentes ou de incêndios, por exemplo, pode deixar as portarias vulneráveis à entrada de assaltantes. Visando não provocar outros problemas, como a invasão de residências ou o roubo de carros, é necessário que cada condomínio implemente planos de emergência e procedimentos obrigatórios.


O investimento em nobreak com baterias, para que o sistema de monitoramente e controle de acesso continuem funcionando na falta de energia, também é de grande importância.


5 - Desconhecimento sobre o entorno do condomínio 

Para alcançar um espaço fortemente blindado, é necessário conhecer o ambiente onde ele está inserido, a fim de prever situações e de implantar medidas especiais de acordo com as características do local.


Mapear o entorno permite estabelecer um projeto de segurança eficiente, pois identifica quem são os frequentadores da região, como é a iluminação do bairro, quais são as vias de acesso e se há pontos de risco, como becos, construções em andamento e terrenos abandonados.


Esse planejamento contribui para a instalação correta das câmeras e dos sensores de alarmes, assim como para uma atenção redobrada durante a vigilância nos espaços do condomínio que são cercados por áreas de risco.

100 visualizações

© 2017 por EIFER ASSESSORIA EIRELI

CRC SC-010324/O